PROPRIEDADE INTELECTUAL EM CORDEL
   João Ademar de Andrade Lima

 01     Um Cordel p'ra ensinar
          Do Direito, uma área bela
          Que protege do inventor
          Ao pintor de aquarela
          Seu enfoque legal:
          "Propriedade Intelectual"
          Sua história e querela.

 02     P'ra ciência do Direito
          Ela vem representar
          Toda aquela proteção
          P'ro que o homem fez criar
          O aspecto de cultura
          das técnicas de feitura
          Às marcas a registrar.

 03     Como o próprio nome diz
          É propriedade contumaz
          Carecendo p'ra existir
          Dos requisitos fundamentais:
          "Dispor", "usar" e "gozar"
          Sempre tem que apresentar
          Semelhante às outras tais.

 04     Na ausência de uma delas
          Não se tem propriedade
          Nem também o exercício
          De ver, com liberdade
          O usufruto pleno de ter
          Doar, alugar, vender
          Conforme sua vontade.

 05     Justamente por isso tudo
          É uma área de importância
          Econômica e estratégica
          Traz divisa e finanças
          Protegendo o criador
          E o fruto de seu labor
          Dando a ele segurança.

 06     Mas nem sempre foi assim
          O criador e seu valor
          Não tinha qualquer guarida
          Seja lá quem ele for
          Inventasse o que inventasse
          Criasse o que criasse
          Ninguém era detentor.

 07     O trabalho do intelecto
          Era não valorizado
          Na velha Roma, como exemplo
          Era quase ignorado
          Como um trabalho banal
          Qual qualquer outro braçal
          Não se via o resultado.

 08     Contudo, mesmo sem lei
          O sentido de "autoral"
          No mundo sempre existiu
          Mas p'ra isso foi vital
          Vislumbrar as suas brechas
          Conformar todas as regras
          N'um procedimento legal.

 09     Foi assim que se surgiu
          Com a gravura e a imprensa
          Herança de Gutenberg
          Nova lei se fez presença
          Formalizando privilégios
          Aos autores, tão egrégios
          Como uma recompensa.

 10     Depois disso foi mais fácil
          Codificar seu postulado
          O primeiro estatuto
          "Rainha Ana", nomeado
          Histórico texto legal
          Sobre Direito Autoral
          Agora sim, positivado.

 11     N'um mundo em evolução
          O respeito era crescente
          E o direito à criação
          Cada dia mais presente
          era visto com clareza
          E com'a Revolução Francesa
          Fez-se justo e evidente.

 12     D'esse evento, mais normas
          Em constante progressão
          Aperfeiçoando detalhes
          Respeitando a proteção
          N'uma melhoria eterna
          Com a Convenção de Berna
          Tem-se a consolidação.

 13     Outros fatos da história
          Igualmente importantes
          Atestaram proteção
          Como nunca visto antes
          Àqueles que, com engenho
          Melhoraram o desempenho
          Dos antigos fabricantes.

 14     Foi assim que, com o tempo
          As criações industriais
          Invenções e inovações
          Entendidas como tais
          Reputaram mais progresso
          Novas máquinas, processos
          E dados estruturais.

 15     Assim como a imprensa
          P'ro autor foi crucial
          P'ro inventor, um novo mundo
          Não mais só artesanal
          Mudou toda conjuntura
          Agora sim, manufatura
          Revolução Industrial.

 16     Mais um lado na moeda
          Mais formas de proteção
          Dados, peças e regras
          Usadas na fabricação
          Em Paris, chanceladas
          Normas referendadas
          Uma outra Convenção.

 17     Leis postas, basilares
          Daí se desenvolveu
          Toda estrutura formal
          Da nova doutrina nasceu
          Conceitos, definições
          Tipos e classificações
          Um ramo jurídico seu.

 18     O primeiro ideário:
          A sua dicotomia
          "Autoral" e "Industrial"
          Com cada qual tipologia
          Duas naturezas jurídicas
          Várias regras distintas
          Convivendo em harmonia.

 19     Assim sendo é interessante
          P'ra firmar o entendimento
          Separar em duas áreas
          Cada uma em seu momento
          O "Direito Autoral"
          Do "Direito Industrial"
          Reza aqui o ensinamento.

 20     Começando, então, agora
          Pela área autoral
          Protegendo ciência e arte
          A poesia e o musical
          Não precisa nem ter mérito
          Com ou sem valor de crédito
          Basta ser original.

 21     É por isso que assim
          Quase tudo é protegido
          O filme, o quadro, a dança
          O relato do ocorrido
          O programa de computador
          A nobre "Tese" do Doutor
          E o objeto esculpido.

 22     Mas, assim como ele próprio
          É só um n’um par de lados
          O Direito Autoral
          Tem seus ramos separados
          Um direito é o "real"
          E o outro "pessoal"
          Todos dois justificados.

 23     N'um, a obra é como um bem
          D'aquilo que é dito "real"
          Aos aspectos monetários
          "Direito Patrimonial"
          Ao "pessoal", paternidade
          A quem cria, identidade
          É o "Direito Moral".

 24     É o primeiro que garante
          A sua reprodução
          Quem o tem, tem o direito
          De fazer a exploração,
          E por tempo limitado,
          Ver disponibilizado
          Sua utilização.

 25     O segundo é inato
          À pessoa do autor
          Não podendo ser passado
          Seja p'ra quem ele for
          Com proteção infinita
          Dura p’ra depois da vida
          D’ aquele seu criador.

 26     Uma questão importante
          Que também ,tem muito nexo
          É aquela que prescreve
          O tal "Direito Conexo"
          Ao artista executante,
          Ao dançarino, ao cantante
          E ao resto em anexo.

 27     Ainda n’essa área
          Outro item relevante
          É o de como registrar
          A criação resultante
          Da obra autoral
          Isso é fundamental
          Mesmo não preponderante.

 28     O referido registro
          P’ro autor é faculdade
          Mesmo sendo a melhor forma
          De provar fidelidade
          Àquilo que foi gerado
          Concebido, idealizado
          Dando legitimidade.

 29     Assim, p’ra rematar
          Essa primeira explanação
          Vem citar um pouco, agora
          Algo sobre violação
          E o desrespeito às regras:
          O "plágio" é uma delas
          A outra, "contrafação".

 30     No primeiro se atinge
          No autor, o "pessoal"
          Na outra se viola
          O lado "patrimonial"
          Mas em ambas a seqüela
          Fere, massacra, atropela
          O bom respeito autoral.

 31     É isso que, de essência
          Têm as normas autorais
          Mas ainda há a área
          Das questões industriais
          Das técnicas presentes
          Das marcas e das patentes
          Do design e muito mais.

 32     Essa segunda área,
          É a mais controvertida,
          A figura do autor
          Fica substituída
          Por um tal de titular
          Que’ até mesmo sem criar
          É o dono da aludida.

 33     Isso acontece porque,
          Diferente do "autoral"
          As criações p’ ra indústria
          São de direito "real"
          Proteger a criação
          E não quem teve a ação
          É regra fundamental.

 34     "Propriedade Industrial"
          É assim também chamada
          Do mesmo jeito que'a outra
          Pode ser classificada
          Como na lei consisto
          Protegida por registro
          Ou ser então patenteada.

 35     A primeira d’essas classes
          É-se dada à criação
          Que, mesmo que interessante
          Não traz, nela, inovação
          Ao "Desenho Industrial"
          Seu elemento visual
          Sua estética e não função.

 36     Mas se um novo produto
          Vem com algo diferente
          Um achado, um eureca
          Que não chega facilmente
          Tem mais forte proteção
          E através da invenção
          Se consegue uma patente.

 37     Para se chegar a ela
          Há preceito a ser seguido
          Tem que ter a "novidade"
          E o "passo inventivo"
          E outra conformidade:
          A "industriabilidade"
          Para ser favorecido.

 38     Outra questão importante
          Sobre essa proteção
          É que o seu detentor
          Como contraprestação
          Deve descrever o invento
          E todo o conhecimento
          Por detrás da inovação.

 39     Mas não só as invenções
          Podem ser patenteadas
          Há também outros produtos
          Com funções modificadas
          Trazendo mais qualidade
          "Modelo de Utilidade"
          Às melhoras realizadas.

 40     Essa área do Direito
          Também gera outro registro
          Às marcas de produto
          De comércio ou de serviço
          Protegendo seu emblema
          E seu nome ou fonema
          Contra cópia ou outro vício.

 41     Com isso se finaliza
          As regras fundamentais,
          É claro que há mais dados
          Mais aspectos legais
          Proteção de "cultivares"
          De "biodiversidades"
          E até de "rituais".

 42     Assim sendo, o convite
          P’ra agora n'esse instante
          Ir mais fundo no assunto
          Que é um tema fascinante
          Leia livros e artigos
          Dos mais novos aos antigos
          Sempre aprenda doravante.